01 de Março de 2011
E, todavia, pesa-me como uma pata de violência a realidade da pessoa que somos. Há muita coisa a arrumar, a harmonizar, muita coisa ainda a morrer.
Mas por enquanto está viva.
Por enquanto sinto a evidência de que sou eu que me habito, de que vivo, de que sou uma entidade, uma presença total, uma necessidade do que existe, porque só há eu a existir, porque eu estou aqui, arre!, estou aqui, EU, este vulcão sem começo nem fim, só actividade, só estar sendo, EU, esta obscura e incandescente e fascinante e terrível presença que está atrás de tudo o que digo e faço e vejo – e onde se perde e esquece.
EU!
Ora este “eu” é para morrer. Morre como a intimidade de uma casa derrubada. Sei-o com a certeza do meu equilíbrio interior. Mas como é possível? Agora eu sou essa intimidade, agora eu sou o seu espírito, a sua evidência.
 
Aparição (1959), Vergílio Ferreira, Bertrand Editora, 20ª edição
 

 Fonte da Imagem

 
publicado por psicopersonalidades às 16:22

mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

11 seguidores
Contactos
Rua Camilo Castelo Branco, nº 983, Salas 13 e 14

4400-063 Vila Nova de Gaia

Tel.: 960 297 084

info@personalidades.eu

http://www.personalidades.eu

Março 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
15
17
18
19

20
23
24
25
26

27
30


pesquisar